Publicado em

Por dentro da indústria dos chás: o que sabemos e o que deveríamos saber sobre estes amados produtos

7 Janeiro 2019
Por dentro da indústria dos chás: o que sabemos e o que deveríamos saber sobre estes amados produtos
Postado por Everton Souza

Durante toda nossa vida ouvimos falar sobre os benefícios de consumir chá regularmente.

Crescemos escutando nossos pais e avós indicarem os chás ideais para as mais diferentes situações – camomila para nervosismo, boldo para má digestão, chá verde para perda de peso, e muitos, muitos outros.

Não é segredo para ninguém que os chás possuem propriedades incríveis, capazes de proporcionar alívio e cura para problemas físicos e emocionais. Por isso mesmo a cultura oriental, há milênios, tem o consumo de chá como sua grande tradição e legado.

No entanto, o que poucas pessoas sabem é que estes inocentes produtos vêm sendo contaminados de maneira perigosa pela indústria.

Hoje vamos falar um pouquinho sobre as substâncias que, inadvertidamente, consumimos quando compramos uma simples caixinha de chá, e sobre como podemos tornar nossas escolhas mais conscientes e saudáveis.

O perigo invisível presente nos sachês de chá

O perigo invisível presente nos sachês de chá

Quando compramos um chá, a primeira pergunta que devemos fazer é sobre a origem e a procedência do produto. Como sabemos, o modo atual de produção agrícola pode representar um perigo à saúde, pelo uso excessivo de agrotóxicos e pesticidas, assim como pela presença de produtos transgênicos.

Nem sempre é fácil rastrear a origem dos produtos que consumimos. No entanto, as marcas que possuem uma preocupação maior com este tema, geralmente explicitam em suas embalagens selos como “produto não transgênico”, “orgânico”, “vegano”, dentre outros selos que nos ajudam a confiar na qualidade da marca, como é o caso das fabricantes Organic India, Sencha Naturals e Now Real Tea.

Uma boa dica é sempre pesquisar nos sites e FAQs virtuais das empresas as composições dos produtos, assim como a história e os princípios da fabricante.

Saber a origem do chá é o primeiro passo, e é importantíssimo! Mas é preciso ir além, visto que uma das principais ameaças para nossa saúde não está propriamente no chá, mas sim nos sachês onde ficam armazenados.  Atualmente, a maior parte da população consome chás em sachês, ao invés de chás a granel, por uma questão de praticidade e rapidez no dia-a-dia, mas esta nem sempre é uma boa ideia.

A questão da toxicidade presente nos sachês de chás vem sendo, já há alguns anos, tema de debate na área médica. No artigo “Compostos Plásticos e Cancerígenos em Sachês de Chá – Uma Fonte Surpreendente de Toxinas Potenciais”, o autor Dr. Joseph Mercola explora esta temática apresentando quais são as duas principais ameaças que estão presentes nos saquinhos de chá – o plástico e o papel branqueado com produtos químicos.

É bastante comum encontrar embalagens de chás feitas com plástico, nylon, fibra sintética, ou ainda materiais como PVC e polipropileno. Hoje está comprovado que determinados componentes químicos presentes nestas embalagens, tais como o bisfenol-A (BPA), bisfenol-S (BPS) e ftalatos, alteram a qualidade dos produtos e atuam como disruptores endócrinos em nosso corpo.

No caso dos chás, em que as embalagens são submetidas a altas temperaturas, os perigos para a saúde podem ser ainda maiores.  

Os disruptores endócrinos são substâncias que agem como desreguladores hormonais em nosso organismo, causando efeitos nocivos sobre o sistema neurológico, imunológico e reprodutivo dos seres humanos, podendo resultar em inúmeras doenças.

Por segurança, alguns países, inclusive o Brasil, optaram por proibir a importação e fabricação de mamadeiras que contenham Bisfenol A, devido à maior susceptibilidade das crianças a esta substância. No entanto, este composto continua presente em vários outros objetos e recipientes que utilizamos cotidianamente. O Bisfenol A é apenas um dentre tantos compostos tóxicos aos quais estamos expostos.

O problema vai além do plástico. Surpreendentemente os sachês de chá feitos de papel também podem apresentar um grau toxicidade igual, ou até mesmo superior, ao do plástico, devido à substância epicloridrina, utilizada para branquear os sachês e torná-los mais resistentes.

Considerado um potente cancerígeno pelo National Institute for Occupational Safety and Health, dos Estados Unidos, a epicloridrina, além de estar presente em sachês de chá e filtros de café, também é frequentemente utilizada em pesticidas e em carnes processadas (por exemplo, nas tripas usadas nas linguiças).

A epicloridrina é um composto químico que, quando entra em contato com a água, hidrolisa-se em uma substância chamada 3-MCPD, que segundo investigações científicas têm alto potencial cancerígeno. Esta substância também já foi relacionada à infertilidade masculina em animais e à supressão da função imunológica. De acordo com a American Oil Chemicals Society, o 3-MCPD também pode ser encontrado em  óleos vegetais refinados (o que é mais uma razão para evitar este tipo de óleo e substituí-lo por óleo de coco).

Existem ainda alguns outros tipos de clareamento, como aqueles que utilizam dioxina, e também deixam resíduos perigosos no nosso corpo. Essa substância igualmente tem potencial cancerígeno e pode permanecer muitos anos no organismo, afetando o sistema hormonal e imunológico. Seu efeito é ainda mais preocupante em mulheres grávidas, podendo afetar até mesmo o desenvolvimento do bebê. Não existe nível saudável de exposição à dioxina, exatamente porque ela se acumula no corpo.  

Mas existem saídas para consumir chá sem prejudicar a saúde….

Mas existem saídas para consumir chá sem prejudicar a saúde....

Uma boa maneira de proteger-se contra todas estas substâncias é através da informação. Na hora de escolher qual marca consumir, é muito importante ter consciência destes diferentes fatores, e dar preferência para empresas que zelam pela transparência no seu processo de produção, sem a utilização de químicos tóxicos e nocivos.

Nós, do Novidade Saudável, que nos preocupamos com o bem-estar e a saúde de todos, prezamos por selecionar apenas marcas que tenham este cuidado, e dentre elas certamente está a Organic India.

A Organic India produz seus sachês a partir da planta chamada abacá, também conhecida como cânhamo de Manila, uma fibra vegetal muito resistente e nativa das Filipinas. Esta fibra é natural e orgânica, e preserva o sabor, o aroma e a qualidade do chá.

Os principais benefícios do chá

Os principais benefícios do chá

Os chás além de proporcionarem uma experiência prazerosa para o olfato e o paladar, são fonte de incontáveis benefícios. Há evidências científicas de que os polifenóis presentes nos chás, que incluem EGCG (galato de epigalocatequina), tem efeito protetivo contra diferentes tipos de câncer.

Dentre outros benefícios reconhecidos dos chás estão:

  • Desacelerar a degeneração das células cerebrais;
  • Reduzir a pressão sanguínea;
  • Proteger contra o Diabetes Tipo 2;
  • Reduzir os níveis de colesterol e triglicérides;
  • Diminuir o risco de células cancerígenas;
  • Prevenir contra doenças cardíacas e infarto.

Não são mesmo uma maravilha? Vale a pena conhecer e pesquisar sobre estes que podem ser grandes aliados da nossa saúde, quando produzidos com cuidado e ética.

 

Fontes consultadas:

https://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2013/04/24/tea-bags.aspx

https://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2018/11/28/plastic-in-your-tea.aspx

https://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2012/06/20/bpa-free-plastic-still-toxic.aspx

http://portal.anvisa.gov.br/alimentos/embalagens/bisfenol-a

https://organicindiausa.com/about-us/faq/

https://cfpub.epa.gov/ncea/iris2/chemicalLanding.cfm?substance_nmbr=50

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *