Manteiga de Coco Nutiva 414ml

A Manteiga de Coco Nutiva 414ml é uma alternativa saudável e vegana à manteiga. Deliciosa e versátil, feita de óleo de coco refinado prensado a frio e óleo do fruto da palmeira.

R$49.90

Em estoque

Adicionar aos meus desejos
Adicionar aos meus desejos

Descrição

A Manteiga de Coco Nutiva 414ml é uma alternativa saudável e vegana à manteiga. Deliciosa e versátil, feita de óleo de coco refinado prensado a frio e óleo do fruto da palmeira. À temperatura ambiente, pode substituir a manteiga e o cream cheese como o condimento perfeito para pão, bagels e muffins. Pode até ser usado em assados, sautés de temperatura média, fritar ou regar generosamente sobre a pipoca.

Preservação dos nutrientes e sabor

Ao contrário de outros óleos no mercado, a Manteiga de Coco Nutiva nunca é refinada, desodorizada ou branqueada. Feita com cocos não transgênicos do Sudeste Asiático, colhidos de forma sustentável e imediatamente prensados ​​a frio para extrair um óleo de coco naturalmente mais fresco, cremoso e saboroso do mercado. O aroma rico e o sabor suave o torna ótimo para refogar, assar ou realçar as suas receitas favoritas. É ideal como um óleo de cozinha, ou como substituto nutritivo na panificação. E é ainda melhor do que manteiga no pão, legumes ou pipoca. Um óleo com pureza e a densidade nutricional. Uma opçõa saudável a dietas vegetarianas, veganas, integrais, paleo, cetogênicas e sem glúten.

Propósito com as pessoas e o planeta

A Nutiva foi fundada em 1999 com um propósito único em mente: revolucionar o modo como o mundo come. Seu papel é produzir e promover superalimentos densos em nutrientes que são bons para você e bons para o planeta. A responsabilidade social e ambiental é uma parte essencial da cultura e dos negócios da Nutiva. Desde o fornecimento de produtos, até a obtenção de certificação de comércio justo, o esverdeamento de instalações e operações, o financiamento do plantio de árvores nas escolas das comunidades locais, os colocam constantemente buscando maneiras de proteger melhor o meio ambiente e garantir uma melhor qualidade de vida aos funcionários, clientes. e à comunidade.

Produto cultivado livre de agrotóxicos, pesticidas, respeitando as pessoas e a natureza.

 

Características

Sem Glúten

Não Transgênico

Sem Açúcar Refinado
Sem Açúcar Refinado

Sem Lactose


Encontre outros produtos Nutiva aqui.

Informação adicional

Peso 0.8 kg

Ingredientes e Tabela Nutricional

Ingredientes

Óleo de coco ultra concentrado (Triglicérides de Cadeia Média – Ácido Caprílico)

Não contém glúten, lactose, adoçantes, aromatizantes, corantes ou solventes. 

Tabela Nutricional

Porção de 15ml (1 colher de sopa)
Quantidade por porção%VD*
Valor Energético130kcal=544kJ7%
Carboidratos0g0%
Proteínas0g0%
Gorduras Totais14g25%
Gorduras Saturadas14g64%
Gorduras Trans0g**
Fibra Alimentar0g0%
Sódio0mg0%
Ácido Caprílico14g**
* Valores diários com base em uma dieta de 2000 kcal ou 8400kJ. Seus valores diários podem ser maiores ou menores, dependendo de suas necessidades energéticas.
** Valores diários não estabelecidos.

A Visão da Ciência

MCTs à Luz da Ciência

Os Triglicerídeos de Cadeia Média (MCTs) são uma forma única de gordura que apresentam inúmeros benefícios para a saúde. Eles são moléculas compostas por átomos de carbono individuais ligados a cadeias desses mesmos átomos, variando de 6 a 10 ligações de carbono. Já ácidos gordurosos de cadeia longa (LCTs) variam de 12 a 18 ligações de carbono. E é justamente o comprimento mais curto de sua cadeia que faz com que os MCTs tenham uma série de propriedades únicas que lhes dão vantagens sobre os LCTs.

Fonte de Energia

O comprimento reduzido da sua cadeia de carbonos, por exemplo, faz com que os MCTs sejam mais rapidamente absorvidos pelo corpo e mais rapidamente metabolizados (queimados) como combustível. O resultado dessa conversão metabólica acelerada é que, ao invés de serem armazenados como gordura, as calorias contidas em MCTs são muito eficientemente convertidas em combustível para uso imediato de órgãos e músculos.

Isso acontece porque eles atravessam a membrana mitocondrial dupla muito rapidamente e não requerem a presença de carnitina para tal, diferentemente dos LCTs. O resultado é uma explosão de acetil-coA que, depois de percorrer várias vias metabólicas (tanto na mitocôndria  – Ciclo de Krebs – quanto no citossol), culmina na produção de cetonas. Portanto, cientistas e pesquisadores atribuem o aumento de energia decorrente do consumo de MCTs à rápida formação de corpos de cetona.

Os MCTs são, portanto, uma excelente alternativa para quem precisa de fontes rápidas e seguras de energia – seja para desempenhar as atividades do dia a dia, para melhorar a performance durante e após exercícios físicos ou para repor a vitalidade perdida em decorrência de enfermidades, cirurgias ou envelhecimento.

Estudos com animais comprovam que os MCTs podem, de fato, aumentar a resistência física: ratos alimentados com uma dieta contendo MCTs superaram o desempenho na natação dos ratos alimentados com uma dieta contendo apenas LCTs. Os pesquisadores observaram ainda que os músculos dos ratos alimentados com MCTs produziram níveis mais altos de enzimas metabólicas chave (3-oxo-ácido CoA-transferase, citrato sintase e malato desidrogenase) envolvidas no Ciclo de Krebs (ciclo do ácido tricarboxílico), mecanismo primário do corpo para a produção de energia. Os ratos alimentados com MCTs também queimaram gordura a uma taxa maior, aumentando, por consequência, a produção de energia celular.

MCTs e controle de peso

Além do seu menor teor calórico, os MCTs não são armazenados em depósitos de gordura no corpo como os LCTs. Além disso, vários estudos comprovam sua capacidade de aumentar a termogênese (isto é, queima de gordura). Portanto, os MCTs parecem oferecer uma abordagem tripla para a perda de peso – a) eles têm um menor teor calórico do que outras gorduras; b) são minimamente armazenados como gordura; c) contribuem para acelerar o metabolismo e queimar, assim, ainda mais calorias. Esta terceira propriedade pode estar ligada ao fato de que MCTs se comportam metabolicamente de forma semelhante aos carboidratos em alguns aspectos, além do fato de promoverem o desenvolvimento de cetonas, como já mencionado. A produção de cetonas é uma pedra angular da Dieta Atkins e de outras estratégias de redução de peso.

O Dr. Hans Kaunitz e colegas realizaram um estudo com ratos para comparar os efeitos das dietas em que a gordura foi fornecida por MCTs ou banha de porco. Os ratos alimentados com MCTs perderam peso significativamente mais do que o segundo grupo, embora seu consumo de calorias fosse o mesmo dos ratos alimentados com banha de porco. Além disso, Kaunitz descreveu os ratos alimentados com MCTs como tendo “uma excelente taxa de sobrevivência”. Em outro estudo, os pesquisadores observaram diminuição dos ganhos de peso, teor reduzido de gordura e conteúdo inalterado de proteínas completas em animais alimentados com MCTs em comparação com animais alimentados com LCTs. Em um terceiro estudo, os depósitos de gordura em ratos alimentados com dietas altas em MCTs foram 23 por cento menores do que em ratos alimentados com LCTs.

Muitos desses resultados obtidos em estudos com animais foram corroborados por ensaios em humanos. Em um desses ensaios, pesquisadores forneceram seis refeições contendo apenas LCTs ou LCTs mais MCTs para um grupo de seis homens adultos magros e outro de seis obesos, da mesma faixa etária. Em ambos os grupos, a termogênese pós-refeição (queima de gordura) foi aumentada depois do consumo de refeições contendo MCTs, o que não foi observado no grupo que recebeu apenas LCTs.

Combate à fadiga

As dietas de restrição calórica são frequentemente associadas a declínios acentuados na energia. Uma série de estudos reforçam os benefícios do uso de MCTs em programas de perda de peso para aumentar os níveis de energia e aumentar o metabolismo de ácidos graxos para auxiliar na redução de depósitos de gordura. Em um destes estudos, quando os pesquisadores da Tchecoslováquia trataram 60 pacientes obesos com óleo de MCT, concluíram que os MCT ofereciam vários benefícios, afirmando: “A administração de … ácidos gordos de cadeia média pode … melhorar o sucesso a longo prazo da terapia de dieta de pacientes obesos. ”

Alimento para o Cérebro

As cetonas também são uma das duas substâncias que o cérebro pode utilizar como energia, a glicose sendo a outra. Por esse motivo, o Dr. Hans Kaunitz, dentre tantos outros pesquisadores, sugere que os MCTs podem ser poderosos aliados para combater o envelhecimento do cérebro e até reverter quadros de degeneração de algumas funções cerebrais.

Controle de Apetite

Os MCTs demonstraram suprimir o apetite, uma habilidade de benefício óbvio para aqueles que tentam diminuir a ingestão de calorias totais. Em um estudo de 14 dias, seis voluntários do sexo masculino saudáveis ​​receberam acesso ilimitado a uma das três dietas: uma dieta MCT baixa, uma dieta MCT média e uma dieta MCT alta. O consumo de calorias foi significativamente menor na alta dieta MCT. Os pesquisadores observaram que a substituição de MCTs por outras gorduras em uma dieta rica em gordura “pode ​​limitar o consumo de excesso de energia e o aumento de peso produzido por dietas com alto teor de gordura e energia”.

Controle da Insulina

Em outro estudo envolvendo um grupo de mulheres obesas em uma dieta restrita, os pesquisadores observaram que os perfis de insulina melhoraram quando MCTs representavam 24% do total de calorias consumidas.

MCTs e Sistema Imunológico

Para avaliar as propriedades de normalização imune de MCTs, Kaunitz e colegas injetaram ratos com soro imune de coelho, conhecido por causar doença renal autoimune grave nos ratos. Eles então administraram MCT na dieta e observaram que as alterações patológicas nos rins foram muito reduzidas no grupo tratado com MCT. Kaunitz especulou que os MCTs poderiam assim ter um efeito positivo “nas reações auto-imunes características do processo de envelhecimento”.

MCTs e Medicina

MCTs provaram ser úteis no tratamento de uma série de distúrbios médicos que envolvem metabolismo lipídico (gordo) prejudicado ou danificado. Estes incluem: icterícia obstrutiva, cirrose biliar, pancreatite, fibrose cística, doença celíaca, doença de Whipple, doença de Crohn, enterite regional e má absorção em neonatos. O MCT tem sido relatado como útil para a alimentação de recém-nascidos, tanto para ajudar o crescimento inicial como para contribuir para o desenvolvimento fisiológico deles. A absorção de cálcio e magnésio parece ser melhorada quando a dieta contém MCT, particularmente em lactentes, e a absorção de aminoácidos também parece ser melhorada. Assim, MCTs podem ser uma adição útil à dieta daqueles que sofrem de qualquer forma de desnutrição ou desperdício de tecido. A este respeito, os MCTs são adicionados a fórmulas parenterais para alimentação intravenosa após cirurgia ou durante a recuperação de lesões graves, queimaduras e infecções.

Conclusão

O principal efeito adverso observado pelos usuários iniciantes de MCTs é a náusea, por vezes acompanhada de desconforto gástrico. Isto pode ser minimizado ou eliminado iniciando a sua ingestão com doses muito pequenas (isto é, cerca de 1/4 de colher de chá várias vezes ao dia) e aumentando a dose conforme tolerado. Em pouco tempo, o MCT pode ser consumido na porção de uma colher de sopa mais de uma vez ao dia. O óleo MCT pode ser usado como um molho de salada e como um óleo de cozinha. No entanto, o MCT não deve ser aquecido a temperaturas superiores a 150-160 graus Celsius porque irá oxidar e quebrar, afetando negativamente o sabor e benefícios. Com essas poucas advertências, os MCTs são um suplemento especialmente benéfico para suster o esforço físico devido ao alto teor de densidade de energia, à rápida taxa de absorção e à rápida conversão metabólica na energia celular. Além disso, MCTs podem ser mobilizados rapidamente na fase de recuperação pós-exercício para reconstruir os músculos e prevenir a quebra de proteínas (catabolismo) que pode ocorrer quando o corpo está sob demanda máxima das suas reservas de energia.

  1. Babayan, V.K. Medium chain fatty acid esters and their medical and nutritional applications. J Am Oil Chem Soc, 1981, 58: 49A-51A.
  2. Kaunitz, H. Dietary use of MCT in “Bilanzierte Ernaehrung in der Therapie,” K. Lang, W. Fekl, and G. Berg, eds. George Thieme Verlag, Stuttgart, 1971.
  3. Fushiki T, Matsumoto K, Inoue K, Kawada T, Sugimoto E. Swimming endurance capacity of mice is increased by chronic consumption of medium-chain triglycerides. J Nutr 1995 Mar;125(3):531-9.
  4. Baba, N., Bracco, E.F., Seylar, J., Hashim, S.A. Enhanced thermogenesis and diminished deposition of fat in response to overfeeding with diets containing medium chain triglycerides. J Am Soc Clin Nutrition, 1981, 34: 624.
  5. Bach, A.C., and Babayan, V.K. Medium-chain triglycerides: An update. Am J Clin Nutr, 1982, 36: 950-962.
  6. Kaunitz, H., Slanetz, C.A., Johnson, R.E., Babayan, V.K., Garsky, G. Nutritional properties of the triglycerides of medium chain-length. J Am Oil Chem Soc, 1958, 35: 10-13.
  7. Scalfi L, Coltorti A, Contaldo F. Postprandial thermogenesis in lean and obese subjects after meals supplemented with medium-chain and long-chain triglycerides. Am J Clin Nutr 1991 May;53(5):1130-3.
  8. Yost TJ, Eckel RH. Hypocaloric feeding in obese women: metabolic effects of medium-chain triglyceride substitution. Am J Clin Nutr 1989 Feb;49(2):326-30.
  9. Hainer V, Kunesova M, Stich V, Zak A, Parizkova J. The role of oils containing triacylglycerols and medium-chain fatty acids in the dietary treatment of obesity. The effect on resting energy expenditure and serum lipids. Cas Lek Cesk 1994 Jun 13;133(12):373-5.
  10. Stubbs RJ, Harbron CG. Covert manipulation of the ratio of medium- to long-chain triglycerides in isoenergetically dense diets: effect on food intake in ad libitum feeding men. Int J Obes Relat Metab Disord 1996 May;20(5):435-44.
  11. Kaunitz, H., Slanetz, C.A., Johnson, R.E., Babayan, V.K. Interrelations of linoleic acid with medium chain and long chain saturated triglycerides. J Am Oil Chem Soc, 1959, 36: 322-325.
  12. Stewart, J.W., Wiggers, K.D., Jacobsen, N.L., Berger, P.J. Effect of various triglycerides on blood and tissue cholesterol of calves, J Nutr, 1978, 108: 561-566.
  13. Kaunitz, H. Medium Chain Triglycerides in Aging and Atherosclerosis, in: Advances in Human Nutrition, Vol 3, by J. Kabara (ed), Chem-Orbital, POB 134, Park Forest, IL 60466.

Você também pode gostar de…